FABIO CELONI

FABIO CELONI

FABIO CELONI

FABIO CELONI (Sesto San Giovanni, 23 de setembro de 1971) é um quadrinista e escritor italiano.

Se formou em 1989 na Escola de Quadrinhos e Ilustração de Milão como desenhista de quadrinhos, atividade que começa a exercer profissionalmente naquele mesmo ano estreando com a série I fantastici 3 Supermen. Em 1990 começa a trabalhar como colaborador para a revista de horror Mostri, publicada pela Edizioni Acme no mesmo ano também inicia um trabalho com a Walt Disney Italia como desenhista para a revista do personagem Topolino e com sua primeira história (“I tre porcellini e la fata del bosco – Os três porquinhos e a fada da floresta”) publicada em 1991, o que fez dele, com apenas 19 anos na época, o desenhista italiano mais jovem a conseguir uma publicação semanal. No ano seguinte escreveu várias histórias para os personagens PK, Paperino, Paperfantasy, Paperinik e outras publicações da Disney. Em 1996 estréia como capista oficial da publicação Paperinik. Trabalhou como colaborador para Mondadori, De Agostini e diversas outras editoras italianas. Ainda nesse ano trabalhou por um período em Hong Kong produzindo artes para uma coleção de roupas com estampas de personagens da Disney.

Sua colaboração com a Disney prossegue por anos com histórias para várias publicações e diversas outras obras para a divisão Disney Libri e outros projetos especiais.

Em 2000 começa a trabalhar como colaborador para a Sergio Bonelli Editore onde desenha uma história para a série de horror Dylan Dog, (I quattro elementi, n° 197, janeiro 2003) além de outras publicações, até que em 2005 escreve seu primeiro roteiro para Dylan Dog além de também assinar os desenhos (Il vecchio che legge), esta história seria publicada quatro anos depois no álbum gigante n° 18 (2009) sagrando-se vencedor do prêmio “Galeone d’Oro” da Cravenroad7 como melhor roteiro de Dylan Dog do ano de 2009. Em 2005 desenha uma história para o álbum n° 221 de Dylan Dog, com roteiro assinado por Paola Barbato (Il tocco del diavolo).

Continuando em 2005, novamente para a Bonelli, é responsável pela arte conceitual do personagem Brad Barron, criado e roteirizado por Tito Faraci, sendo o responsável por todas as artes de capa da minissérie além de ter desenhado 12 páginas da edição final. Ele também cria mais uma arte conceitual, dessa vez para o personagem “Mister Bo”, com textos do próprio Sergio Bonelli, e ilustra suas histórias.

Em 2006 escreve o ensaio histórico-esotérico Milano, esoterismo e mistero, pela editora Editoriale Olimpia.

Fabio Celoni ama viajar pelo mundo e atualmente vive em Praga, na República Tcheca.

× Whatsapp